Serviço de internamento

De Portal da Codificação Clínica e dos GDH

1684

Tabela de conteúdo

Definição

«Doente internado» é um indivíduo admitido num estabelecimento de saúde com internamento, num determinado período, que ocupe cama (ou berço de neonatologia ou pediatria), para diagnóstico ou tratamento, com permanência de, pelo menos, vinte e quatro horas, exceptuando-se os casos em que os doentes venham a falecer, saiam contra parecer médico ou sejam transferidos para outro estabelecimento, não chegando a permanecer durante vinte e quatro horas nesse estabelecimento de saúde. Para efeitos de facturação, e para doentes que não cheguem a permanecer vinte e quatro horas internados, apenas serão considerados os doentes saídos contra parecer médico ou por óbito[1];


Até 2003 esta definição referia 'uma noite' em vez de 'vinte e quatro horas' e acrescentava ao diagnóstico e ao tratamento os cuidados paliativos:


Conjunto de serviços destinados a situações em que os cuidados de saúde são prestados a indivíduos que, após serem admitidos, ocupam cama (ou berço de neonatologia ou pediatria), para diagnóstico, tratamento, ou cuidados paliativos, com permanência de, pelo menos, uma noite[2],[3].


Referências

  1. Portaria n.º 132/2009 de 30 de Janeiro
  2. Instituto Nacional de Estatística (INE), Inquérito aos Hospitais, Conceitos Utilizados, 1999
  3. Portaria n.º 132/2003 de 5 de Fevereiro


Ver também


Data da criação desta página e data da última modificação significativa

Página criada em 24-10-2000

Última modificada em 28/02/2010


Ferramentas pessoais
Ferramentas